Orçamento na construção civil: veja 9 passos para não errar

O orçamento na construção civil é muito importante para resiliência das empresas do setor. Dessa maneira, evitar erros no orçamento de obras é uma preocupação latente nas empresas de engenharia e arquitetura.

Para dar dicas sobre como evitar falhas no orçamento para construção civil, fizemos este artigo. Falaremos sobre o que é e a importância do orçamento na construção civil. Em seguida, deixaremos as principais dicas sobre o tema.

O que é orçamento na construção civil e a sua importância

O orçamento consiste no documento que apresenta os recursos necessários para conclusão da obra. Dessa maneira, leva em consideração tanto o custo dos materiais quanto a mão de obra necessária para concluir uma determinada edificação.

Esse documento contém uma série de cálculos para que o resultado final seja obtido e leva em consideração diversos índices e tabelas de composição de preços.

A importância do orçamento na construção civil está em assegurar que a construção seja viável economicamente. Isto é, lucrativo para a empresa e a um preço que compense para o cliente.

Em caso de obras públicas, essa característica também é importante, pois há um compromisso social em apresentar obras com o melhor custo-benefício, pois o fiador da obra é toda a sociedade. Ademais, os benefícios da construção também é para todos. 

Desse modo, não existe construção civil sem orçamento, uma vez que vivemos em um mundo de recursos finitos. Agora, saiba quais são as dicas que devem ser levadas em consideração para não errar no orçamento. São elas:

  • Definição do projeto da obra;
  • Organização das informações;
  • Pesquisa de preços e mão de obra;
  • Controle dos gastos;
  • Conhecer custos diretos e indiretos da obra;
  • Composição de preços para cada serviço do projeto;
  • Desconsiderar surpresas negativas;
  • Definição de prazos;
  • Utilizar modelo padronizado sem critério;
  • Não usar software para orçamento na construção civil.

1. Definição do projeto da obra

Antes da execução da obra, é essencial que o projeto seja muito bem definido. Essa definição é bastante ampla e diz respeito a todos os aspectos que irão compor a futura obra: usos, equipamentos utilizados, materiais e as soluções encontradas por engenheiros e arquitetos para a obra.

Dessa forma, é importante que a fase de projeto esteja bem amarrada a fim de assegurar que essa etapa seja entregue de forma eficiente. Ademais, a integração entre diferentes equipes que compõem a elaboração do projeto, como arquitetura, estrutural e complementares é fundamental.

Além disso, a definição do projeto garante que o orçamento seja mais preciso, uma vez que as mudanças que virão a ocorrer diminuem drasticamente.

2. Organização das informações

As informações que direcionam a tomada de decisão em uma empresa da construção civil são elementos importantes. Dessa forma, as informações devem ser organizadas de forma que seu uso seja potencializado. Afinal, elas devem ser de fácil acesso e servir como subsídio para tomada de decisão em diferentes setores.

No orçamento de obras, essas informações são ainda mais importantes, uma vez que o orçamento na construção civil é composto, basicamente, de informações (preço da mão de obra e materiais). Assim, é essencial que elas sejam atualizadas.

3. Pesquisa de preços e mão de obra

Um bom orçamento na construção civil deve apresentar uma boa pesquisa de preços e mão de obra. Dessa forma, deve conter índices atualizados e diversificados para análise dos valores de materiais, equipamentos e mão de obra disponíveis no mercado.

Ademais, vale destacar que a pesquisa deve indicar quais são os tipos de mão de obra disponível. Afinal, nem todos os serviços são possíveis de serem feitos em um local, especialmente quando há maior complexidade e da tarefa.

4. Controle dos gastos

Após a elaboração do orçamento, é necessário que o trabalho continue. Ou seja, é importante fazer um acompanhamento dos valores que são gastos em obra. Ações devem ser tomadas no sentido de controlar os gastos em obra, não deixando com que o orçamento saia do que foi previsto inicialmente.

5. Conhecer custos diretos e indiretos da obra

Os custos diretos são mais fáceis de serem calculados, pois envolvem os gastos que são realizados com serviços que afetam diretamente a obra. Além disso, é importante levar em consideração os gastos indiretos, que costumam ser mais difíceis de serem contabilizados por não atuarem diretamente na construção.

Entre os principais gastos indireto, destacamos impostos e RH.  

6. Composição de preços para cada serviço do projeto

As tabelas de composição de preço são importantes instrumentos para os orçamentistas. Assim, elas norteiam todo o orçamento de obras, uma vez que seria muito trabalhoso — para não dizer impossível, uma empresa conhecer a variação do preço de todos os materiais e mão de obra.

Entre as mais utilizadas e necessárias, destacamos a Tabela SINAPI e a Tabela SICRO. A primeira é gerenciada pela Caixa Econômica Federal e a segunda pelo DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes).

7. Desconsiderar surpresas negativas

Problemas ocorrem em obras, seja elas em obras pequenas, médias ou grandes. A questão é como os profissionais lidam com essas adversidades. Dessa forma, é importante que o planejamento considere eventos adversos e saibam se antecipar a eles.

O orçamento de obras também deve lidar com isso, encontrando alternativas para que o preço final da obra não seja muito diferente do que foi pensado no momento inicial.

8. Definição de prazos

Tão importante quanto o orçamento, temos os prazos para conclusão de uma determinada obra ou etapa da obra. E mais que isso, prazo e orçamento caminham lado a lado. Afinal, quanto mais tempo uma obra demora a ser entregue, maior tendem a ser os gastos (especialmente com mão de obra).

Assim, é importante que seja definido um cronograma coerente para encerramento da obra, de modo que este não prejudique o orçamento.

9. Utilizar modelo padronizado sem critério

A padronização deve ser buscada no orçamento na construção civil. E muitas empresas e profissionais sabem disso, desde o uso de planilha para orçamento de obras até mesmo o uso de softwares para elaboração de orçamentos em diferentes serviços.

Contudo, é necessário tomar cuidado com a padronização, pois existem particularidades que devem ser respeitadas. Desse modo, a melhor alternativa é utilizar um sistema padrão, mas ajustável. Isto é, que permita a inserção das variáveis singulares presentes em cada projeto e obra de engenharia.

10. Não usar software para orçamento de obras

Os softwares de orçamento de obras consistem em importantes ferramentas para auxiliar os profissionais na elaboração desses documentos. Além de apresentarem grande precisão nos cálculos, esses softwares automatizam boa parte dos processos.

Assim, são reduzidas as probabilidades de erros humanos, além de diminuir a carga de trabalho sobre o profissional responsável pelo orçamento. Existem diferentes alternativas no mercado, mas vale a pena considerar o software OrçaFascio, presente em todos os Estados do Brasil.

Entre as principais vantagens do OrçaFascio, destacamos a integração com outras etapas da construção, como planejamento e acompanhamento de obras. Além disso, a ferramenta permite uma elaboração de orçamento 8x mais ágil e permite a integração à metodologia BIM por meio do OrçaBIM.

Sendo assim, o orçamento na construção civil é fundamental para um negócio saudável e lucrativo. Siga as dicas que apresentamos e evite erros bobos que impedem a execução eficiente do orçamento na sua empresa e obras.

Agora que você já sabe os principais erros para evitar em um orçamento de obras, aproveite e baixe o e-book gratuito Orçamento de Obras: 9 elementos que não podem faltar

Receba todas as nossas novidades sobre a construção civil

Cadastre-se agora na nossa newsletter, é grátis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :

Posts relacionados

NR 21: cuidados para trabalhadores em canteiro de obras

Saiba o que é a NBR 5410 e quando ela deve ser aplicada

Cálculo de materiais de construção: 9 dicas para economizar