Como calcular o ROI na Construção Civil?

Ao construir qualquer coisa, é importante levar em consideração a sua viabilidade econômica. Isto é, quanto se gastará para construí-lo e qual será o valor recebido pela obra. Existem diversos mecanismos para identificar essa variante, sendo um dos mais importantes o cálculo do ROI. Mas afinal, você sabe o que é e como calcular o ROI na construção civil?

Com o intuito de deixá-lo inteirado sobre esse assunto tão importante, mas nem sempre conhecido, fizemos este artigo. Falaremos sobre o que é o ROI, suas vantagens para a construção civil, dicas para calculá-lo. Por fim, apresentaremos as principais métricas a serem consideradas na construção civil.

Acompanhe!

O que é o ROI

Roi é a abreviação do termo em língua inglesa “Return on Investment”, que em tradução livre significa “Retorno sobre o investimento”. Ou seja, o ROI consiste no cálculo feito para saber qual é o retorno previsto para o investimento aplicado, quanto dinheiro a empresa perde ou ganha com um investimento em determinado setor.

Este indicador fornece o resultado final para cada projeto da empresa e também mensura o custo com treinamentos e novas ferramentas a serem utilizados na área. O ROI pode ser utilizado por qualquer empresa, e, no ramo da construção civil, pode ser um diferencial para melhorar a gestão e estudo de viabilidade antes de iniciar qualquer empreendimento.

Dessa maneira, o profissional de construção, construtora ou incorporadora pode analisar se um investimento vale a pena, além de estudar alternativas para otimizar os projetos que estão sendo planejados.

Essa métrica é fundamental porque possibilita que sejam avaliadas certas iniciativas específicas e como elas contribuem para os resultados da empresa ou empreendimento. Portanto, com base no ROI, é possível conseguir planejar metas baseadas em resultados palpáveis e compreender se determinado investimento ou empreendimento vale mesmo a pena.

Vantagens de utilizar o ROI

Agora que você já sabe o que é o ROI, é importante conhecer também sobre os seus benefícios, especialmente para empresas da construção civil. Entre as vantagens, destacamos aqui as principais: otimização da gestão de obra, reconhecimento da necessidade de financiamento e controle do fluxo de caixa.

Otimização da gestão de obra

A partir do cálculo ROI, a gestão se torna mais prudente e segura, pois as decisões começam a se basear não em intuição ou sentimento, mas em dados e informações seguras. Assim, é possível avaliar melhor o desempenho dos equipamentos utilizados, mão de obra e do empreendimento. Tudo isso gera economia para o empreendimento e maior retorno financeiro.

Reconhecimento da necessidade de financiamento

A empresa possui recursos próprios suficientes para iniciar a construção do empreendimento sem comprometer o seu funcionamento (especialmente o fluxo de caixa)? Muitas vezes, responder essa questão se torna um pouco mais complexo do que se aparenta.

Dessa maneira, o ROI na construção civil se torna muito importante, pois contribui para identificar o momento em que o financiamento deve ser realizado, além de contribuir para identificar o valor ideal e o retorno para ele.

Controle do fluxo de caixa

O fluxo de caixa consiste na entrada e saída de recursos da empresa por um determinado período de tempo. Para a construção civil, especialmente uma obra, o controle desse índice é fundamental, pois informa de forma clara o andamento da execução do projeto.

A partir dessa informação, é possível certificar que o recurso colocado na construção está sendo empregado de forma racional e plausível.  

Como calcular o ROI na construção civil

O ROI, diferente de outros mecanismos contábeis, pode ser calculado de forma muito simples. Ele é extraído a partir da seguinte fórmula: ROI = (G – I) ÷ I. Para essa fórmula, temos:

ROI = Retorno sobre investimento. G = Ganho com esse investimento. I = Investimento inicial. Para realizar o cálculo em porcentagem, é necessário multiplicar o resultado por 100.

A fim de demonstrar, vamos utilizar o seguinte exemplo. Sua empresa realiza um investimento de 100 mil reais e tem como ganho 300 mil. Logo, você terá o seguinte resultado:

ROI = (300 – 100) ÷ 100, cujo resultado é 2. Isto é, houve um retorno de 2 vezes o valor investido. Em porcentagem, 2 x 100 = 200% de retorno.

Caso esse ganho não seja um dado já pronto, é necessário mensurá-lo com a maior aproximação possível. Se a empresa adquirir um novo equipamento, por exemplo, é importante calcular o seu ganho de acordo com a diminuição da mão de obra e velocidade da execução da obra, convertendo os dados para valores monetários e a partir disso, avaliar o ROI.

Principais métricas de obras a serem consideradas

Além do ROI, outras métricas da construção civil podem e devem ser utilizadas como parâmetro para uma construção mais eficiente. Falaremos sobre algumas delas.

Impactos ambientais e sustentabilidade

Estamos na segunda década do século XXI. É impossível falar sobre qualquer negócio sem levar em consideração a sustentabilidade, que está relacionada tanto ao fator ambiental como econômico e social. Na construção civil não poderia ser diferente, e métricas de sustentabilidade devem ser adotadas, tais como:

  • Eficiência energética (variação de energia consumida por dia de trabalho);
  • Qualidade ambiental interna (manutenção de uma temperatura agradável dentro do ambiente de trabalho, o que melhora a produtividade);
  • Manejo de resíduos (quantidade de resíduos por metro quadrado);
  • Gestão da água (quantidade de água utilizada por dia);
  • Materiais e recursos certificados (comprovação documentada de que o material foi retirado do meio ambiente de forma correta. Muito comum em madeiras, por exemplo).

Acidentes de trabalho

O setor de construção civil é um dos que mais ocorrem acidentes e, consequentemente, afastamento do trabalho. Por esse fator, as empresas do ramo precisam dar prioridade à questão da segurança do trabalho no canteiro de obras. Além de aumentar a produtividade, esse elemento assegura a vida e saúde dos colaboradores, evitando processos e manchas na reputação da empresa.

Também se evitam afastamentos frequentes, prejuízos, atrasos, multas e indenizações trabalhistas. Sabe aquele velho ditado em que se afirma que é melhor prevenir do que remediar? Para essa questão ela é muito válida. E lembre-se, o problema só aparenta ser grande quando realmente nos deparamos com ele. Não espere isso acontecer para lidar com ele.

Custo do desperdício

O desperdício de material ainda é um dos principais vilões do custo elevado para construir uma obra. Além de prejudicar a empresa sob o ponto de vista financeiro, o desperdício de materiais é extremamente danoso para o meio ambiente, especialmente quando o descarte não é realizado da forma adequada.

Para nortear o custo do desperdício, é necessário se ater aos seguintes indicadores:

  • Horas-homens gastas em retrabalho em relação ao consumo total;
  • Percentual de tempo improdutivo em relação ao total;
  • Tempo de rotação de estoques;
  • Espessura média de revestimento de argamassa;
  • Porcentagem de material adquirido em relação à quantidade realmente necessária.

Indicadores de produtividade

A produtividade é um dos principais gargalos do Brasil, independentemente do setor que seja abordado. E ele também é um problema para a construção civil. Dessa maneira, é necessário utilizar indicadores de produtividade para conhecer sobre a real situação desse item na construção ou obra.

Temos a Razão Unitária de Produção (RUP), cuja fórmula é: RUP = Hh sobre QS, em que Hh = Homens-hora despendidos e QS = Quantidade de serviço realizado.

Possuímos o Consumo Unitário de Materiais (CUM), cuja fórmula é: Qmat sobre Qserviço, em que Qmat = quantidade de material e Qserviço = quantidade de serviço.

Há também o Indicador de produtividade (IP), cuja fórmula é:  IP = Recurso ou esforço sobre produto ou resultado.

Métrica de custos

Medir com precisão os custos de um projeto admite analisar se os gastos estão dentro do que foi previsto de forma inicial, se houve algum imprevisto e se há alguma falha na gestão, o que gera gastos maiores do que o esperado. Para alcançar melhores resultados, portanto, é importante que o gestor de obra racionalize os gastos por meio do gerenciamento de estoque.

E um passo muito importante para isso se dá por meio da automatização de processos, com usos de softwares de gestão — que devem ser acompanhados de técnicas e metodologias modernas.

Em uma obra, cujo prazo de vida útil costuma ser bastante extenso, o ROI deve ser feito com muita cautela. Esse mecanismo deve ser utilizado tanto por ser uma ferramenta importante, quanto por ser bastante intuitiva e simples, o que contribui para uma visão mais ampla e objetiva sobre o andamento de um empreendimento e obra. Além dele, é importante utilizar outras métricas para se obter um resultado mais completo.

Gostou do que leu? Então, agora que você já sabe como calcular o ROI na construção civil, entenda o que é a Curva ABC e a sua importância!

Receba todas as nossas novidades sobre a construção civil

Cadastre-se agora na nossa newsletter, é grátis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :

Posts relacionados

Anterior
Próximo