Planilha para orçamento de obras: quais itens não podem faltar

O orçamento de obras é um dos elementos mais importantes da construção civil. Afinal, toda obra deve ser sustentável economicamente. Uma das principais ferramentas para a confecção do orçamento de obras é a planilha para orçamento de obras.

Sendo assim, preparamos este artigo especialmente para você, para detalhar melhor o que é a planilha de orçamento de obras e quais itens devem constar neste documento. Além disso, falaremos também sobre:

  • Importância do uso de tabelas de composição de preço (como o SINAPI);
  • Particularidades de orçamento de obras públicas;
  • Uso de softwares para confecção de planilhas de orçamento de obras.

Continue lendo e confira!

Ferramentas para criação de planilhas

As planilhas consistem em documentos produzidos a partir de ferramentas de computador, que apresentam informações. Estas informações, por sua vez, estão dispostas em uma grade de dados bidimensional, com fórmulas que contribuem para relacionar diferentes dados.

Historicamente, uma planilha eletrônica nada mais é do que um registro contábil. Assim, é uma ferramenta muito utilizada por profissionais de contabilidade e administração. Elas mostram diversas informações quantitativas que são utilizadas para gerir uma empresa. Em geral, podem ser utilizadas para representar dados científicos e para realizar cálculos, servindo para inúmeras áreas, incluindo engenharia civil (orçamento de obras, por exemplo).  

Apesar de seu uso se mostrar defasado para empreendimentos muito complexos, o Microsoft Excel se mostra o programa mais popular. Assim, ainda que seu uso seja amplo, uma planilha para orçamento de obras no referido programa não é considerada a melhor opção para construção civil. Mas abordaremos outras soluções mais a frente.

Entre as principais opções de ferramentas para criação de planilhas, destacamos:

  • Excel: mais popular e completo programa de planilhas. Conta com slides, correio, planilhas, editores de texto, etc. Por ser muito conhecido, acaba sendo a opção mais utilizada no setor comercial;
  • Planilhas do Google: gratuito e online, o programa é bastante intuitivo. Como os documentos ficam salvos na nuvem, se torna uma excelente alternativa para integração entre diferentes profissionais ou equipes;
  • Numbles iWord: serviço de planilhas da Apple. Muito importante para quem utiliza Macbook ou Iphone;
  • LiveOffice: pacote de programas de escritório grátis, sendo uma alternativa ao Office da Microsoft;
  • Lotus Symphony – Planilhas feitas para cálculos. Contudo, pouco utilizadas;
  • OpenOffice: Uma alternativa para o Microsoft Office e LibreOffice.

As planilhas para computadores pessoais incluem, de maneira geral, a capacidade de converter dados em diferentes tipos de gráficos. Esses gráficos são essenciais para a gestão do empreendimento e criação de documentos que auxiliam a gestão de obras.

Como fazer uma planilha para orçamento de obras

Para fazer uma planilha para orçamento de obras, é necessário seguir alguns passos.

Levantamentos dos serviços a serem realizados

O primeiro passo a ser feito em uma planilha para orçamento de obras é levantar os serviços a serem realizados. Dessa forma, com a listagem feita, todos os gastos com os serviços podem ser calculados.

Posteriormente, é importante integrar esse levantamento com outras ferramentas, como o cronograma de obras. Assim, o orçamento se torna mais completo e, acima de tudo, exequível.

Análise de composição de preços

Nenhuma empresa, por maior que seja, consegue ter acesso a um número tão grande de informações a ponto de determinar o valor dos preços dos materiais da construção civil.

Dessa maneira, é importante que se tenha acesso a tabela de composição de preços, que indicam o preço médio da mão de obra e materiais aplicados em cada região. Existem diversas tabelas, sendo a principal delas a Tabela Sinapi, que abordaremos de forma mais aprofundada posteriormente.

Possibilidades de negociação

Um elemento muito importante que deve ser considerado ao fazer e montar uma planilha é a boa e velha negociação. Desse modo, a gestão de fornecedores se faz necessária para otimizar e obter planilhas com melhor custo-benefício à obra e à construtora.

Não esqueça dos custos indiretos e acessórios

Um dos maiores equívocos do orçamento de obras é focar em serviços, equipamentos e materiais e esquecer totalmente de outros custos obrigatórios. 

Existem diversos custos, como seguros, taxas trabalhistas, documentações e legislações que precisam ser consideradas. Além disso, estar em conformidade com as Normas Regulamentadoras da construção civil é uma exigência legal, e assim como oferece suas vantagens, apresenta também seus custos.

Não cumprir com as normas pode levar a prejuízos enormes para as obras, o que também pode ocorrer devido a processos trabalhistas por irregularidades contratuais. Desse modo, o pagamento de taxas nesse sentido pode contribuir para que não se tenha prejuízos bem maiores lá na frente.

Fique atento ao BDI

BDI é a sigla para Benefícios e Despesas Indiretas. Como já abordamos, os custos indiretos pesam bastante no valor final da obra. Todavia, os custos indiretos do BDI são de fatores que não estão ligados à execução da obra.

Isso significa, de forma simples, que é necessário considerar o custo de manter a empresa em funcionamento. Dessa maneira, é necessário considerar gastos com luz, contas de água, telefone, secretárias, financeiro e contabilidade, pagamentos de funcionários do RH, etc.

Ademais, também é importante considerar os impostos, tributos e outros encargos similares. Tudo isso não pode ficar de fora da sua planilha para orçamento de obras.

O Sinapi como elemento do orçamento de obras 

O SINAPI (Sistema Nacional de Índices da Construção Civil) consiste em um banco de dados com valores de serviços e insumos utilizados no mercado da construção civil. O índice é mantido e atualizado pela Caixa Econômica Federal.

Por meio do Decreto 7.983/2013, foi determinado que o SINAPI deve ser utilizado como base para o cálculo do custo global para obras públicas de engenharia.

Dessa maneira, é importante ter a noção que para licitações e contratos celebrados por empresas públicas ou sociedades de economia mista, a tabela SINAPI é obrigatória. Todavia, outros fatores devem ser levados em consideração. A padronização exigida pelo TCU (Tribunal de Contas da União) é outro importante critério que empresas da construção civil devem utilizar.

Dessa forma, ter uma planilha para orçamento de obras padronizada com essas exigências é fundamental para empresas que queiram participar de licitações públicas.

Softwares para orçamento de obras

Os softwares para orçamento de obras são fundamentais para a construção civil no contexto atual, pois existe uma exigência grande para precisão nos cálculos. Por esta razão, cada vez mais esta solução vem ganhando espaço, substituindo as planilhas de orçamento de obras. 

Além disso, o uso de softwares acelera a produção do orçamento e possibilita a integração entre diferentes profissionais, por meio do armazenamento em nuvem e acesso multiusuário.

Existem diversas opções disponíveis no mercado e, com destaque, podemos citar o software OrçaFascio. Com o uso da ferramenta, o orçamento de obras se torna 8 vezes mais rápido. Além disso, diferente das planilhas para orçamento de obras, o OrçaFascio garante a exatidão de cálculos, seguindo os padrões do TCU. 

Sendo assim, ainda que muitas pessoas trabalhem com planilha para orçamento de obras, o uso de softwares para garantir precisão e agilidade na confecção de orçamentos se torna ideal.  

Receba todas as nossas novidades sobre a construção civil

Cadastre-se agora na nossa newsletter, é grátis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :

Posts relacionados

Anterior
Próximo